Telegrama

Querido,
Aqui faz frio, a noite principalmente. Sei que não tivemos tempo suficiente para conversar, mas faremos isso quando eu voltar. Não sei exatamente se quer ouvir, mas ainda tenho algumas coisas para dizer. Coisas tolas talvez, mas que acho necessárias que sejam faladas de qualquer forma.
Tudo aqui é mais calmo, a cidade é grande, mas ainda mantém certo ar interiorano onde os mais velhos se encontram nos bancos da praça no final da tarde para conversar e se recordar do tempo em que a cidade não tinha tantos carros. As crianças ainda andam de bicicleta na rua e ainda é possível ver alguns garotos jogando taco e trocando figurinhas. Lembrei de quando eu era criança e de como era bom não precisar me preocupar com nada.
Engraçado, como muita coisa mudou e ao mesmo tempo parecem continuar iguais. Os bairros cresceram, os prédios apareceram, as pessoas envelheceram e mesmo assim tudo parece ser como quando era pequena e ia caminhando até a padaria segurando a mão dos meus avôs para tomar tubaína e comer algumas balas Juquinhas.
Hoje caminhei meio sem rumo, visitei alguns lugares que costumava ir e até fui a minha primeira escola, continua tudo igual por lá. Fiquei feliz em encontrar os Ipês no pátio onde brincava de pega-pega e a biblioteca é exatamente como antes, bem menos visitada, mas ainda tem o primeiro livro que li.
Ainda não tenho planos para os outros dias o que de certa forma me deixa feliz. Estou escrevendo bastante e até conseguir encontrar o final que tanto esperava para o meu projeto de livro. O ar puro e frio tem agitado minha mente e caminhar mais devagar e observando melhor as coisas tem me despertado ainda mais idéias e porque não novos projetos.
Estou aprendendo a apreciar o silêncio. Meditando mais em algumas coisas e deixando de falar mais para escutar. Arrisquei algumas notas no piano e decidi que quando chegar quero voltar a tocar, sim, ficar sozinha encarando as teclas brancas e o som que cada uma delas produz encheu meu coração de paz.
A parte preferida do meu dia aqui é o pôr do sol.A mistura do ar gelado e o sol alaranjado tornam o momento mais lindo e inspirador. Fico sentada na varanda até que ele se vá dando espaço para a lua cheia, branca, enorme, fiz um pedido quando uma estrela cadente atravessou o céu.
Penso em muita coisa e em você. Sinto sua falta,
Z.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s