circus

Na mesa de cabeceira: O circo da noite

Não existe nada mais encantado que o circo. Porque não dizer mágico? Acho que por isso fiquei fascinada logo que vi a capa de O Circo da Noite, (tradução de Claudio Carina, Intrínseca, 368 páginas, 34,90 reais na versão impressa e 19,90 reais na versão e-book), livro de estreia da artista multimídia americana Erin Morgenstern.

A história começa com a disputa entre dois mágicos, um exibicionista e outro que prefere guardar sua mágica para si. Acostumados a brincarem com a mágica, um deles acha que está na hora de levarem seu espetáculo para o público, um público que acha que a magia real é apenas uma ilusão. Nada melhor que levar isso até o circo, um lugar onde tudo é possível e ninguém acha que é real. Eles treinam seus aprendizes, Marco e Celia, para mais um jogo que não está claro como funciona. Um jogo de exibicionismo, lento, que afeta os outros aos poucos e atravessa anos – onde definir um vencedor não é tão fácil quanto parece.

Atravessando várias cidades e muitos anos, o circo chega aos lugares sem avisar onde está. Por onde passa, angaria fãs e pessoas fascinadas por tudo de diferente que o circo abriga. Enquanto isso, a competição entre Marco e Celia vai acontecendo – muitas vezes, eles sequer sabem que estão jogando.

O resumo da história é simples: o circo percorre muitos lugares e Marco e Celia se apaixonam, dificultando o jogo.

A autora elaborou a história tão bem que você sem perceber se envolvia em todo o mistério e magia que os personagens carregavam. Diferentes, bem elaborados, eles aparecem na hora certa e estão sempre orbitando em volta do circo, mesmo que anonimamente deixando sempre aquele clima de mágica intrigante.

A narrativa, mesmo que arrastada e um tanto quanto lenta, acompanha a proposta da autora de te seduzir e ter vontade de largar tudo e se perder entre as tendas fascinantes descritas pela autora.

O Circo da Noite foi apresentado na Feira do Livro de Frankfurt, em outubro de 2010, e gerou certo bochicho. O livro só seria lançado em setembro do ano seguinte, mas bem antes disso, em janeiro de 2011, a Summit Entertainment, a produtora da saga Crepúsculo, se adiantou e comprou os direitos de adaptar a obra, o que não me surpreendeu porque desde a primeira frase do livro já imaginei a história nas telas dos cinemas.

Desafiando gêneros e expectativas, Erin Morgenstern soube me seduzir e acredito que pode seduzir você também. Deixe-se impressionar e entre no circo mágico que chegou sem avisar.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s