Snapvlog: Tinder dá pé?

aprimoramos

Um dia brinquei de Giro no Tinder no meu snapchat e choveu de mensagens: volta, volta volta!

Era para ser uma brincadeira que já faço com as amigas! Daí estendi para a rede do fantasminha um dia que tava à toa e pensei: poxa, já falo e faço tanta tosquisse no meu snap, pq não contar histórias que coleciono? Afinal, dou um pouco de diversão aos exalamos apenas 20 e poucos seguidores.

Porque, meus queridos, histórias é o que não faltam. Então, o giro do Tinder virou um lance semanal. Toda quinta, em um horário qualquer! E agora chama: Tinder da pé?

Uma brincadeira com bicho do pé! Mentira!

Ah, e para quem não sabe estou preparando meu canal de sobrevivência aos 30 no Youtube. E, ÓBVIO, que o Tinder da pé? vai migrar para lá em breve. SO SO SOON!

Então, meu stand up da vida real acontece no fantasminha semanalmente e se não me segue ainda, me procure: pollymariah.

(já posso avisar que de lá não sai nada de útil que não seja chororô, dancinha, palhaçada e alguma coisa boa!).

Advertisements

Por decreto

Ainda penso se a gente continuaria junto por muito tempo ou se nossa relação estava fadada ao fracasso.

Talvez você já não estaria ocupando meu sofá faz tempo. Talvez suas roupas já não estariam mais misturadas nas minhas e as tarde de domingos seriam como são para mim ultimamente: vazias!

Imagino se o que a gente sentia sobreviveria a distância que separou a gente por um tempo. Não quis pagar pra ver, abri mão antes.

Nossa música me acordou hoje, uma trollagem made in Spotify. Por um momento ouvi seus passos no corredor, me remexi na cama afastando os lençóis pensando se voltei para o quarto do 43B, senti até o cheio do café vindo da pequena cozinha e seus resmungos de reclamação porque estava fazendo tudo errado.

Mantive os olhos fechados por um tempo esperando pra ver se você abria a porta do quarto para deitar ao meu lado e me acordar beijando minha testa. Você não veio.

Nosso fim já estava decretado.

 

 

Oi, empreendedorismo

Após dois anos vivendo uma temporada de aventuras na Inglaterra voltei ao Brasil como assessora de imprensa da Lilian Comunica, agência pela qual já havia trabalhado durante mais de dois anos antes de ir para Europa.

Durante os últimos três meses atuei como gerente de conta de grandes editoras do mercado nacional, como por exemplo a Thomas Nelson Brasil – integrante ao grupo HarperCollins – entre outras. 

Hoje comunico oficialmente meu desligamento da agência para embarcar em mais uma nova aventura: o empreendedorismo. As colegas da Lilian Comunica, toda minha gratidão pela confiança, companheirismo e trajetória compartilhada.

O espírito empreendedor sempre esteve presente em toda minha jornada profissional e agora é hora de alcançar novos voos com a Com C – Com Conteúdo, agência de comunicação digital e produção de conteúdo para blogs, sites e canais no YouTube.

A agência já existia pelas mãos da minha irmã de alma e coração, Carol Pardini. Desde 2012 muitos trabalhos foram realizados por ela, que agora me deu o presente de seguir em frente com o projeto, que é claro, como boa maravida que é, vai continuar comigo na caminhada me ajudando e apoiando.

Disposta a desenvolver novas linguagens, a Com C chega com a visão de ajudar as marcas a se destacarem no ambiente digital oferecendo sua expertise em: Planejamento e implementação de estratégias digitais; campanhas de marketing viral utilizando ferramentas como Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, Snapchat ou aquela que você ainda não ouviu falar, mas já tem um monte de gente inovadora usando; roteirização, produção e edição de canais no YouTube; produção de conteúdo para blogs, revistas eletrônicas websites; etc.

A Com C volta ao mercado com pé direito e tem entre suas contas a Godoi Construtora, empresa da construção civil com mais de 30 anos de tradição em São Paulo; o The Square Open Mall, um dos maiores empreendimentos comerciais da região da Granja Viana, entre outros.

Continuem acompanhando cada passo dessa jornada! E torçam muito por mim =)

Mantenha-se calado

Não precisa dizer nada, eu já exatamente o que vai me dizer.

Sei que vai dizer que a culpa é sua, que sua covardia se fez mais forte mais uma vez.

Não quero ouvir o que tem para dizer.

Prefiro guardar o som da sua voz me dizendo o quanto estava linda naquela primeira noite que nos vimos.

Quero manter na memória aquela vez que você provou que me conhecia tão bem quando ao voltar do banheiro já tinha feito meu pedido, pq sabia exatamente o que eu iria escolher e nem esqueceu o molho extra.

Não, não diga nada!

Deixe eu ficar aqui sentada no sofá encarando o dia cinza lá fora enquanto imagino como poderíamos ganhar o mundo juntos. Como nossos planos se encaixam tão perfeitamente e como a gente junto funciona.

Me deixa bebericar mais uma caneca de café fumegante sentindo a dor da língua queimada enquanto meus dedos trêmulos lutam para enxugar as lágrimas.

Saber o que está para acontecer lateja mais.

Dói menos apenas imaginar o som da sua voz dizendo que tudo foi um grande erro.

Mantenha-se calado e não deixe me ir.

 

 

Não toque a campainha

Feche a porta antes de entrar, mas não tranque com a chave.

Não precisa ser na ponta dos pés.

Entre invadindo tudo.

Faça barulho na cozinha enquanto pega as canecas para o café.

Deixe a água do chuveiro correr por mais tempo que necessário.

Derrube a toalha molhada em cima da cama.

Invada meu guarda-roupa.

Misture seus pares de meias a minha lingerie.

Jogue suas pernas nas minhas no sofá e roube o controle remoto.

Ocupe mais que a metade da cama e me abrace antes de dormir.

Me acorde com o cheiro de panquecas e o barulho da louça na mesa.

Vem que a casa agora tua. Entre, fique à vontade!